O que é empreender?

Olá, pessoal

Tudo bom? Eu sou Priscila Mascarenhas, tenho 25 anos e trabalho no comércio desde os 15.Eu sou a prova viva daquela frase “nunca diga nunca”. Toda minha família era comerciante, e eu sempre teimei que seria juíza, e jamais entraria pro empreendedorismo porque “ eu era tímida”, “ eu não tinha jeito”, “eu não sabia fazer nada disso”. Um grande engano, diga-se de passagem. Quando me vi, já estava mergulhada nesse mundo empreendedor de corpo e alma, e dando vida a diversos sonhos que jamais imaginei que sairia dessa cachola aqui.

Não poderia começar minha jornada por aqui, sem expressar o quanto eu sou feliz, acordando todos os dias e fazendo o que eu amo, e te convidando pra sentir essa sensação de quando você decidi acreditar nos seus sonhos.

Nesse espaço vou dividir muitas coisas que aprendi nesses 10 anos de comércio, na dificuldade, no dia-a-dia, e nas alegrias também. Dicas, macetes, bate bolas, entrevistas e tudo que nós possamos aprender juntos também. Afinal, estamos aqui para agregar, né?

 

Vou começar a nossa conversa com algo que me surpreendeu muito quando tomei a curiosidade de pesquisar (não que eu não imaginasse algo parecido) mas não esperei que nós (brasileiros) estivessemos ganhando esse título. Amigos, somos o povo com maior índice de insatisfação no trabalho do mundo. Pasmem!! Mais da metade da nossa população acorda todos os dias para trabalhar insatisfeitas e reclamando do que faz.

Eu fico pensando de cá, quantos sonhos essas pessoas deixaram de lado pra estar ali? Quantas abdicações? Quantas ideias incríveis cabem dentro dessas pessoas , e elas trabalharam todos os dias para realizar as ideias incríveis de outras pessoas. Em maioria por necessidade mesmo, afinal conta não espera, né? Ainda há aqueles que não acreditam que seja possível, não sabem como, não sabem se é certo, e acabam deixando na mãos de outras pessoas.

Eu não sei se esse é o seu caso, ou se esses são  alguns dos seus motivos, mas quero te dizer uma coisa… Decidir acreditar em um sonho realmente não é uma tarefa fácil. Buscar oportunidades e abrir a sua mente para o feeling de empreender, é uma loucura. Posso dizer que é a loucura mais sensata da minha vida. Acreditar em seu propósito, dar voz às suas ideias e ir busca de como fazer realizar é instigante. E acredito que seja pra todo empreendedor. Inclusive você pode achar que eu estou sendo utópica, usando as frases “eu amo o que faço” e “consegui ter independência financeira trabalhando com o que eu realmente amo” mas aos poucos, vamos desmistificando isso juntos. Ok?

 

Falando de início, nesse primeiro post vou te explicar melhor sobre o que é empreender.

 

Vamos lá…

 

Empreender é a escolha mais louca e sensata que uma pessoa faz por si mesmo. Acredito que essa sempre será a melhor definição. Dar a voz a uma ideia, acreditar em seu propósito/sonho e descobrir que é possível que isso gere dinheiro. Louca porque você vai enfrentar diversas dificuldades (não vou mentir, né!) várias coisas fogem do nosso controle quando tomamos essa escolha e sensata porque você vai ver que vale a pena.

Na internet você encontra diversas definições do que é empreender, e em todas elas existem os sinonimos: “tarefa trabalhosa/difícil tarefa/dedicação” . Realmente, não conheço nenhum empreendedor que diga que esse cargo é fácil, e que não traz abdicações, tempo e muita, mas muita dedicação.

Como colocar o valor de um sonho, com autonomia, determinação, bastante trabalho e missão naquilo que se faz? Assumindo a responsabilidade social do que se promove, física e financeira da ideia. Empreender não é fácil, mas com certeza é bastante desafiador. É sobre não desistir quando cometer o primeiro erro, ter ousadia para inovar e acima de tudo coragem para enfrentar as montanhas.

A sua autonomia nos negócios, te permite que como empreendedor, você descubra o seu jeito de administrar e tocar o seu negócio, desenvolver sua técnica e criar suas próprias teoria. Aprender a lidar com o excesso de liberdade, é essencial, porque a responsabilidade dobra quando você toma a decisão de apostar em você mesmo. Aqui, cada um cria o seu mundo dos negócios, das ideias e daquilo que se acredita. O que serve para uma empresa, muitas vezes não serve para outra (ainda que sejam do mesmo segmento) e em um próximo post iremos escrever sobre isso. Mas de antemão, já te digo, não tente imitar alguém só porque ele está dando certo.

Não cometa o erro de “comparar o seu primeiro degrau com o vigésimo de alguém.” Muitas coisas acontece por trás de tal empresa para que tudo saia exatamente como o determinado (ou como está sendo visto) e criar essa impressão de inspiração dentro de você, mas isso não significa que você deva copiar e dará certo.

Desenvolver seu conteúdo, inserir sua ideia, criar sua identidade, e criar sua logística são pontos que com toda certeza farão sua empresa ganhar credibilidade.

 

Existem riscos?Sempre. Aqui você aprenderá a ser responsável por administrar isso. Você tem que aprender a dançar com ele, e fazer com que ele dê passos ao seu favor. “Como assim, Pri?” Quem não arrisca, morre. Em todos os quesitos de nossa vida, e no empreendedorismo não seria diferente. Quando você aposta em algo, você tem 50% de chance de dar certo, e 50% de dar errado. E tudo, absolutamente, TUDO, vai depender de como você orquestrou esse risco, ou essa aposta. Uma dica que falarei a fundo mais pra frente, é.. Busque oportunidade e ensaie muito bem seu produto ou serviço antes dele ir pro consumidor para que quando chegue nas mãos do seu cliente, esteja tudo em perfeito estado. Lembre-se: a primeira impressão é a que fica. Eu aprendi a monetizar meus riscos com meu mentor Erico Rocha, e isso me ajudou absurdamente no dia-a-dia.

Exemplificando: 6x no ano eu monto coleção para a Brisa Fresca Beachwear, e nessas 6 vezes eu enfrento 50% de risco se a coleção será ou não um sucesso. Então eu faço diversas coisas antes dela ir pro ar: eu crio conceito da coleção, desenvolvo as peças, escolho estampa, crio peça piloto, ajusto costura, testo em 2 corpos diferentes, testo em mim para ver se está confortável e por aí vai. Depois de algum tempo, aprendi a otimizar muita coisa que antes levava bastante tempo até minha coleção ficar pronta, mas continuo enfrentando riscos todas as vezes que a lançamos, porém, com o tempo, consegui diminuir a minha margem de erro, de 100% para 50% fazendo os testes.

 

Ah Pri, mas o que são esses outros 50%? Feeling em relação ao meu público. Não tem jeito, acredito que na transição em que você decide abrir algo seu, a sua maior dificuldade no início é começar a ouvir a sua intuição. Mais uma dica? Fica calmo porque no final, vai dar tudo certo, haha.

Até mais,

Pri